Ministério do Esporte Lei de Incentivo: Instituto Agires trabalha pela inclusão social utilizando o esporte
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

Lei de Incentivo: Instituto Agires trabalha pela inclusão social utilizando o esporte

(Foto: Divulgação)(Foto: Divulgação)O Instituto de Articulação Social (Agires), com sede em São Paulo e em vários núcleos espalhados pelo Brasil, trabalha para promover o desenvolvimento de uma adolescência e de uma juventude saudáveis e afastadas das drogas. Cerca de 960 jovens começam a construir verdadeiramente valores humanos que vão moldar a vida deles para sempre.

O Instituto Agires, que desenvolve o projeto com recursos captados pela Lei de Incentivo ao Esporte, trabalha na área de educação por meio da arte, esporte e educação ambiental com foco prioritário no público infanto-juvenil. Faz parte do projeto o Núcleo de Esporte e Cidadania, que desenvolve a modalidade de ginástica artística, em parceria com o projeto Casa de Cultura e Cidadania, presente em vários municípios de São Paulo.

Acompanhe a série de matérias sobre projetos da Lei de Incentivo:

Ministério do Esporte homenageia empresas que mais investiram no esporte
BNDES garante estrutura única para treinamento e desenvolvimento da canoagem brasileira

Segundo a presidente do Instituto, Heloisa Melillo, muitas crianças passar a ter contato com o esporte pela primeira no projeto. “No esporte de rendimento, na modalidade de ginástica artística estão os grupos das crianças que estão na fase do esporte educacional, e que têm contato com a ginástica artística pela primeira vez. Existe também um grupo de cem jovens que participam de competições, como nos Jogos do Interior e os Jogos Abertos – maior competição esportiva do estado”, afirmou.

Os alunos passam por uma rotina pesada de treinos. Regularmente os participantes das ações de rendimento vão quatro vezes por semana ao projeto, duas vezes têm aulas com os demais, e outras duas as aulas são com o grupo de rendimento. Em média, a carga horária é de 12 horas de trabalho semanal no Núcleo de Esporte. Quando estão no grupo de rendimento, as aulas acontecem às quartas-feiras e sábados, com três professores para cada 20 alunos. Eles recebem um atendimento extremamente individualizado. Nas outras duas vezes trabalham 1h30, com grupos maiores, ou seja, 30 ou 32 alunos por turma, com três professores cada.

Com profissionais e estruturas adequadas, o Núcleo de Esporte e Cidadania possibilita que crianças e jovens, de 6 a 17 anos, passem a desenvolver suas potencialidades esportivas simultaneamente à assimilação de valores éticos de convivência humana e exercício da cidadania, democratizando a prática de ginástica artística feminina e masculina.

“A existência do projeto é viabilizada graças à Lei de Incentivo, com o aporte do Grupo AS Brasil Gourmet. O projeto é muito novo, ainda não temos atleta de alto rendimento, pois para chegar a esse posto é necessário no mínimo seis a oito anos de trabalho. Já estamos com medalhistas e finalistas nas maiores competições, isso significa que em breve nossos alunos estarão em grandes mundiais”, afirmou Heloisa.

Criado em 2008, o projeto apoia 960 crianças, sendo cem delas do grupo de rendimento. A sede funciona em São Paulo, com núcleos, em Lins, Caconde, São José do Rio Pardo e São Paulo. Para 2016, queremos desenvolver um núcleo de judô na cidade de Novo Hamburgo, no Rio do Grande do Sul.

Prêmio Empresário Amigo do Esporte
No próximo dia 9 de dezembro será a quinta edição da cerimônia do Prêmio Empresário Amigo do Esporte, em São Paulo. O evento é uma homenagem do Ministério do Esporte às empresas e pessoas físicas que mais apoiaram e investiram no esporte nacional por meio da Lei de Incentivo ao Esporte (LIE).

Até o dia da premiação, e durante a cobertura da solenidade, as redes sociais do Ministério do Esporte (Facebook, Google+, Twitter e Instagram) compartilharão histórias e informações sobre a LEI pela hashtag #AmigoDoEsporte.

Regulamentada em 2007, a LIE permite que empresas e pessoas físicas invistam parte do que pagariam de Imposto de Renda em projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. Empresas podem destinar até 1% desse valor e ainda acumular com investimentos proporcionados por outras leis de incentivo. O teto para pessoas físicas é de 6% do IR.



Cleide Passos
Ascom - Ministério do Esporte
Acompanhe as notícias do Ministério do Esporte no Twitter e no Facebook

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla