Ministério do Esporte Lei de Incentivo ao Esporte promove acesso à prática do voo a vela
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

 
Conheça os principais programas e ações da Secretaria Especial do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações:  (61) 3217-1875E-mail:O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Lei de Incentivo ao Esporte promove acesso à prática do voo a vela

Voar como pássaro em uma aeronave sem motor que utiliza o vento para percorrer grandes distâncias. Essa é a percepção de quem pratica o voo a vela, esporte também conhecido como volovelismo. A Federação Brasileira de Voo a Vela (FBVV) pretende alçar voos mais altos. Para isso, a entidade utiliza a ferramenta da Lei de Incentivo ao Esporte. São dois projetos aprovados, e os pilotos já colhem os frutos da iniciativa.

"Nosso objetivo é democratizar o acesso à prática esportiva do voo a vela no país. A abertura dos projetos já proporcionou um aumento dos interessados pelo esporte. Nas 50 vagas que foram oferecidas no curso de piloto, tivemos cerca de 700 candidatos. As atividades são desenvolvidas nos aeroclubes de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul", explica o presidente da FBVV, Thomas Milko.

O projeto Planador Brasil viabilizou a aquisição de cinco planadores de dois lugares cada um - piloto e instrutor. Os equipamentos serão utilizados no programa Santos Dumont, também com incentivos federais, que visa à formação de atletas. Os dois projetos contam com o patrocínio da Oi Futuro.

"O projeto Santos Dumont já tem dois anos em atividade. Ele é voltado à formação de novos atletas e ao auxilio financeiro para participação em campeonatos. Com a iniciativa, já formamos 28 pilotos", diz Milko, detentor do recorde brasileiro de distância, com mais de 1.000km voados.

O presidente da federação conta que o Planador Brasil serve como complemento do Santos Dumont, pois os equipamentos serão utilizados também na formação de pilotos: "Por causa do alto custo dos planadores, com valores entre R$ 60 e R$ 300 mil, o projeto possibilitou a importação de cinco aeronaves".

O planador é uma aeronave sem motor, mais densa do que o ar e que conta com uma configuração aerodinâmica semelhante à de um avião. O aparelho se mantém voando graças às correntes atmosféricas. No Brasil, pratica-se o esporte nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste. O estado de São Paulo concentra o maior número de clubes e praticantes. Fundado em 1934, o Aeroclube Politécnico de Planadores, em Jundiaí, é o mais antigo do país.

Entenda o esporte
Como os planadores não têm motor, as pessoas que não conhecem o esporte ficam imaginando como as aeronaves iniciam o voo. No Brasil, o sistema mais utilizado é o reboque por avião. Por meio de um cabo, o avião rebocador puxa a aeronave até a altura adequada para o vôo. O piloto do planador comanda o desligamento e passa a buscar as correntes ascendentes de vento, chamadas de térmicas, para se manter em voo.

Breno Barros
Foto: Divulgação
Ascom - Ministério do Esporte
Acompanhe as notícias do Ministério do Esporte no Twitter e no Facebook

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla