Ministério do Esporte Município mineiro de Passos radicaliza e lança skate no Segundo Tempo
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

 
Conheça os principais programas e ações da Secretaria Especial do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Município mineiro de Passos radicaliza e lança skate no Segundo Tempo

A prática do skate está fervendo e virou a grande febre do momento em Passos, Minas Gerais, distante 350 km da capital Belo Horizonte. A cidade, referência pelo polo de moda da região, tem se destacado na confecção de roupas e conta inúmeras lojas e fábricas além da popular Avenida da Moda. Nela, cerca de mil estudantes, a maioria filhos de costureiros, auxiliares de costura e vendedores é contemplada pelo programa de inclusão social do Ministério do Esporte em dez núcleos, dos quais dois o forte é a prática do esporte radical do skate.

O esporte radical é a grande atrativo dos núcleos da cidade de Passos (Foto: Divulgação)O esporte radical é a grande atrativo dos núcleos da cidade de Passos (Foto: Divulgação)
 
Os núcleos funcionam em escolas e espaços públicos da cidade. O programa tem como coordenador-geral, Luiz Flávio Silva dos Santos, e a coordenadora pedagógica, Priscila Fernanda. Mas é no Centro Esportivo Unificado (Ceu), no bairro Coímbras, que o bicho pega literalmente.
 
No local foram instaladas duas unidades de Segundo Tempo (PST) e o comando é da coordenadora de núcleo, a professora de Educação Física, Ana Paula de Oliveira. Na unidade, 200 alunos moradores locais e dos bairros Nossa Senhora de Lourdes, Santo Antonio e Jardim Califórnia aprendem as manobras radicas.
 
Além do equipamento sobre quatro rodas, cada estudante recebeu o kit de segurança contendo capacete, joelheira, cotoveleira e luvas. “O uso desse material é obrigatório para que nossas crianças não se machuquem durante as aulas”, explica Luiz Flávio.  Ana Paula, por sua vez, complementa, que “não é permitido andar de skate sem o uso de tênis para evitar machucados nos pés”.
 
As aulas são realizadas três vezes por semana e têm duração de duas horas cada. Foram criadas três turmas na faixa etária de seis a 10 anos, de 11 a 14 anos e de 15 a 17 anos. Assim como o esporte, o treinamento é bastante descontraído. Um exemplo acontece com um dos monitores, Flávio Adriano da Silva, 21, que é chamado carinhosamente pelos alunos de “Bode”, numa referencia a barba do animal.
 
Atualmente o ensinamento à garotada ainda está em processo de iniciação. O treino básico consista do equilíbrio sobre o skate, no aprendizado da linguagem técnica adotada para cada manobra do esporte e o conhecimento da história do esporte. “Remar significa se equilibrar, doprar é descer a rampa e 360 é o giro total no skate”, ensina o professor.

“Nosso monitor é muito legal, saca tudo do skate, ele é nosso herói” elogia o monitor, Leonardo de Oliveira, 10, estudante do PST que estuda o 4º ano, na escola Enanias Mereciano, ao revelar verdadeira admiração pelo mestre. “Gosto de aventura e já aprendi um esporte. Com meu treinador já aprendi a girar 360 graus, umas das manobras mais difíceis”, conta.
 
Meninas na rampa

O skate também conquistou a admiração de garotas como a aluna Rafaela Vilela, aluna da 3ª série, na escola Eula Leal de Melo. Filha de mãe costureira, a menina não disfarça a empolgação. “Estou curtindo demais descer rampa e achei um primor usar capacetes e luvas na cor rosa para meninas e azul e roxo para meninos”, destaca.
 
Carla Belizária
Ascom – Ministério do Esporte
Acompanhe as notícias do Ministério do Esporte no Twitter e no Facebook

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla