Ministério do Esporte Professoras do IFSC visitam a Secretaria Especial do Esporte para mostrar projeto esportivo bilíngue
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

 
Conheça os principais programas e ações da Secretaria Especial do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações:  (61) 3217-1875E-mail:O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Professoras do IFSC visitam a Secretaria Especial do Esporte para mostrar projeto esportivo bilíngue

O projeto-base para a construção de uma quadra poliesportiva para o Campus Palhoça Bilíngue (Libras-português), do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), foi apresentado para o diretor do Departamento de Gestão de Programas de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social (DEGEP), Clair Tomé Kuhn, nesta quarta-feira (03.07), na SNELIS. A diretora-geral do IFSC, professora doutora Carmem Cristina Beck, e a chefe do Departamento de Ensino, Pesquisa e Extensão, professora doutora Simone Silva, foram as responsáveis pela exposição.

“O projeto é propício para acolher o aluno. Aprecio muito esse engajamento em um projeto bilíngue, no que se refere ao esporte. Há de se ter a inclusão social desses jovens surdos não só na educação, mas na esfera esportiva também”, disse o diretor Clair Kuhn. Ele ressaltou ainda a relevância desse trabalho do Instituto Federal de Santa Catarina, e garantiu que essa demanda será analisada tecnicamente e apresentada aosecretário da SNELIS, Washington Cerqueira.

O projeto político-pedagógico do Campus Palhoça Bilíngue do IFSC traz uma linha de ensino, pesquisa e extensão que busca viabilizar uma efetiva interação entre surdos e ouvintes, no campo educacional e profissional. A professora Simone, que é surda, explicou em Libras que “a intenção é que o campus se torne referência de ensino bilíngue para surdos.”

Nesse campus, durante a aula esportiva, os alunos surdos não conseguem compreender os comandos dos professores, porque são entre “20 e 30 alunos para um professor monitorar, além de um intérprete de Libras”. Assim, conforme a professora, com a repaginação das aulas será possível a inclusão desses alunos. 

Segundo a diretora-geral Carmem Beck, atualmente o campus conta com aproximadamente 900 matrículas, das quais 105 são de alunos surdos, em cursos de ensino médio técnico, graduação, pós-graduação, qualificação profissional e educação de jovens e adultos.

O Coordenador-Geral de Custos e Destinação de Bens (CGCDB), Francis Venturin, também esteve presente na reunião. O DEGEP é um dos dois departamentos da Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social (SNELIS), da Secretaria Especial do Esporte, cuja atribuição é formalizar convênios. A CGCDB está sob o guarda-chuva do DEGEP.

Nathália Fernandes - Ministério da Cidadania

 

 
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla