Ministério do Esporte 1º Congresso Olímpico Brasileiro reúne 1.200 profissionais do esporte em São Paulo
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

 
Conheça os principais programas e ações da Secretaria Especial do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

1º Congresso Olímpico Brasileiro reúne 1.200 profissionais do esporte em São Paulo

Foto: William Lucas/Exemplus/COBFoto: William Lucas/Exemplus/COB

Os desafios da gestão e dos sistemas de treinamento do esporte de alto rendimento, no Brasil e no mundo, foram debatidos durante o 1º Congresso Olímpico Brasileiro, realizado neste sábado (13.04), no WTC Events Center, em São Paulo. Promovido pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), o seminário recebeu nomes de destaque do cenário internacional, como o norte-americano Bob Bowman, treinador de natação da Universidade do Estado do Arizona e mentor de Michael Phelps, maior campeão da história das Olimpíadas, com 28 medalhas; a britânica Chelsea Warr, diretora de Performance da Agência de Esportes do Reino Unido; e o brasileiro Bernardo Rezende, o Bernardinho, dono de sete medalhas olímpicas como jogador e técnico de vôlei.

Dois representantes do governo federal estiveram presentes na abertura do evento: o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, e o secretário especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Marco Aurélio Vieira. O ministro Heleno trabalhou como diretor do COB durante seis anos, período em que comandou o Instituto Olímpico Brasileiro (IOB): “Este congresso comemora os 10 anos do IOB, que faz um trabalho fundamental de capacitação e de difusão do conhecimento esportivo”, lembrou o general, agradecendo o convite feito pela ex-ginasta Soraya Carvalho, hoje gerente do IOB.

Marco Aurélio Vieira elogiou o presidente do COB, Paulo Wanderley, pela iniciativa de realizar o congresso: “É louvável investir na capacitação de profissionais, uma dimensão do esporte que muitas vezes não tem a atenção merecida”. O secretário ressaltou que o alto rendimento sempre foi “o cerne do esporte brasileiro”, mas é preciso também desenvolver a base: “Estamos aqui para mostrar que o desenvolvimento social passa pela valorização do esporte, da escola, da base, até o alto rendimento”. Na abertura do congresso, presença do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, e do secretário especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Marco Aurélio Vieira, ao lado do presidente do COB, Paulo Wanderley (Foto: Paulo Rossi/Ministério da Cidadania)Na abertura do congresso, presença do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, e do secretário especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Marco Aurélio Vieira, ao lado do presidente do COB, Paulo Wanderley (Foto: Paulo Rossi/Ministério da Cidadania)

No discurso de abertura do congresso, o presidente do COB destacou a importância da Lei Agnelo-Piva, que direciona recursos das loterias federais ao sistema esportivo: “A Lei Agnelo-Piva é o principal motor do esporte brasileiro e sua manutenção é vital para nós. Graças a ela, alcançamos o 13° lugar entre 208 nações nos Jogos Rio 2016”, afirmou Paulo Wanderley.

Palestras simultâneas
O Congresso Olímpico Brasileiro reuniu 1.200 profissionais do esporte e apresentou um formato inovador de painéis temáticos. Três palestras simultâneas movimentavam palcos numa estrutura centralizada, circular, com sistema de fones de ouvido disponíveis para os espectadores e canais específicos direcionados para cada um dos palestrantes. Na primeira sessão, por exemplo, Bernardinho, o australiano Christopher O’Brien, treinador da equipe de remo que conquistou um ouro e duas pratas nos Jogos Rio 2016, e um painel com Chelsea Warr, Jorge Bichara, diretor de Esportes do COB, e Maurits Hendriks, diretor de Alta Performance do Comitê Olímpico da Holanda, dividiam as atenções do público.

Pela manhã, foram debatidos temas como sistemas organizacionais do esporte, estratégias para aumento de competitividade, gestão de equipes, carga de treino de atletas olímpicos e saúde no esporte. À tarde, houve palestras sobre ética, governança e compliance, identificação e desenvolvimento de talentos e transformação de dados em informação estratégica.

Bob Bowman encerrou o seminário apresentando suas “Regras de Ouro: dez segredos para se tornar um campeão na vida e nos negócios”. O técnico de Michael Phelps se disse impressionado com a organização do evento: “Achei a estrutura muito criativa, com essa proposta de três palcos e palestras simultâneas. Gostei também das áreas de interação externas e da qualidade dos palestrantes, muito alta”.

O Congresso Olímpico contou com uma série de atividades no intervalo das palestras, numa parceria entre COB e confederações esportivas. A Confederação Brasileira de Desportos no Gelo (CBDG), por exemplo, montou uma estrutura de street curling para que todos pudessem conhecer mais sobre a modalidade dos Jogos Olímpicos de Inverno. Já a Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM) trouxe a jovem Bruna Takahashi, melhor atleta do país no ranking mundial, para bater bola com o público. Foram propostas ainda experiências envolvendo atletismo, badminton e escalada esportiva.

Paulo Rossi – Ministério da Cidadania, de São Paulo, com informações do portal do COB (www.cob.org.br)

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla