Ministério do Esporte Ministério da Cidadania faz planos de parcerias com a China para desenvolver esportes olímpicos no Brasil
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE

 
Conheça os principais programas e ações da Secretaria Especial do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações:  (61) 3217-1875E-mail:O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Ministério da Cidadania faz planos de parcerias com a China para desenvolver esportes olímpicos no Brasil

O secretário especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Marco Aurélio Vieira, participou, nesta terça-feira (29.01), no Rio de Janeiro, da visita de uma comitiva chinesa à sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Os chineses firmaram uma parceria com a CBF para que a entidade, utilizando a metodologia do programa CBF Academy, possa treinar professores e técnicos que irão ensinar futebol nas escolas do país asiático. O objetivo da China é que o futebol se desenvolva o mais rapidamente e, por uma determinação do governo local, a modalidade deve ser praticada em todas as escolas.

Para Marco Aurélio Vieira, o acordo é importante, pois abre caminho para que o Ministério da Cidadania busque novos acordos com o objetivo de desenvolver alguns esportes olímpicos nos quais a China tem grande experiência e sucesso, como é o caso da ginástica artística, do tênis de mesa e dos saltos ornamentais, entre outras.

“O governo enxerga essa parceria com muito bons olhos porque é possível que, a partir deste entendimento, tenhamos o início de um intercâmbio com contrapartidas chinesas em outras modalidades esportivas”, ressaltou Marco Aurélio Vieira.

A CBF Academy oferece diversos cursos técnicos de capacitação e formação de profissionais que atuam no futebol, entre eles os técnicos. O acordo com a China envolve treinamento para obtenção da licença C, que credencia professores para atuar em escolinhas de futebol. A licença B é usada para trabalhos com as categorias de base, enquanto a A é voltada para futebol profissional. Por último, a licença Pró permite atuar no futebol internacional.

“A China demonstrou um enorme interesse em desenvolver o futebol e inclusive está prospectando várias outras áreas do mundo, mas colocou o Brasil como um parceiro estratégico, tendo em vistas as características de nosso país, com sua história, sua experiência, suas conquistas, mas também porque já temos vários jogadores brasileiros atuando em clubes chineses”, declarou o secretário-geral da CBF, Walter Feldman.

“Passamos mais de um ano estudando profundamente e ficou muito claro que a necessidade fundamental da China era treinar os técnicos, principalmente na área de escolinhas de futebol. Isso é o início de uma construção esportiva. Nós sabemos que a experiência chinesa em outros esportes é muito relevante e esse momento aqui começa a abrir portas. Em uma linha transversal, é possível, com a estrutura olímpica do Brasil e com uma série de outras instituições esportivas que temos, estabelecer novas parcerias”, prosseguiu o dirigente.

Brasília

Na noite desta segunda-feira (28.01), membros da CBF e da comitiva chinesa estiveram em Brasília e foram recebidos pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra.

O ministro ressaltou a força, o prestígio e o reconhecimento que o futebol brasileiro tem em todo o planeta e também falou sobre a importância de buscar parcerias com os chineses e outras nações em torno de outros esportes.

“Temos que estabelecer um intercâmbio com o mundo. Não podemos ficar fechados quando existe uma expertise grande fora daqui em várias modalidades. É como os chineses estão fazendo: eles estão buscando uma experiência de fora que eles não têm. Precisamos fazer a mesma coisa e não é só com a China. É com a Rússia, com os Estados Unidos e com todos os países que possam nos ajudar a desenvolver o esporte de alto rendimento no Brasil para termos chances de conquistar mais medalhas nas Olimpíadas”, afirmou Osmar Terra.

Luiz Roberto Magalhães - Ascom - Ministério da Cidadania

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla