Ministério do Esporte Com visões de atletas, autoridades, médicos e juristas, 1º Seminário Brasileiro Antidopagem é realizado no Rio de Janeiro
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Com visões de atletas, autoridades, médicos e juristas, 1º Seminário Brasileiro Antidopagem é realizado no Rio de Janeiro

Depois de receber o Seminário Sul-Americano Legal de Antidopagem, o Rio de Janeiro foi, nesta sexta-feira (9.03), palco do 1º Seminário Brasileiro Antidopagem. O evento foi organizado e produzido pela Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) e contou com público variado, como jornalistas, médicos, atletas, ex-atletas, dirigentes e autoridades nacionais e internacionais. O objetivo comum entre todos eles era um só: buscar conhecimento mais apurado no combate ao doping.

secretário da ABCD, Luiz Celso Giacomini. Foto: Francisco Medeiros/MEsecretário da ABCD, Luiz Celso Giacomini. Foto: Francisco Medeiros/ME

Na abertura, o secretário da ABCD, Luiz Celso Giacomini, deixou claro o objetivo não só do evento, mas também de todos aqueles que estão envolvidos com o esporte. "O caminho do problema do doping é áspero e doloroso e precisa ser combatido. E esse é um problema não só do atleta. Temos que envolver técnicos, confederações, autoridades e até as famílias dos esportistas também", disse Giacomini.

A ABCD, criada em 2012 e ligada ao Ministério do Esporte, é filiada à Agência Mundial Antidoping (WADA, na sigla em inglês), que tinha três representantes no Seminário. A missão da ABCD de consolidar a consciência e a educação antidopagem foi ressaltada por Giacomini. "Nossa relação próxima com a WADA nos permite um trabalho produtivo e conjunto. Somente se fizermos esses elos e correntes longas pelo país vamos combater com força a dopagem", observou.

O Secretário Nacional de Esportes de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, Rogério Sampaio, representou o ministro Leonardo Picciani e demonstrou a vontade das autoridades em manter o esporte limpo. "Essa iniciativa da ABCD é muito importante. Que possa ser um evento anual e que atraia cada vez mais pessoas ligadas ao controle de dopagem. O trabalho, esforço e dedicação do atleta limpo precisam ser recompensados com os resultados e para isso vamos implantando mais ferramentas para que o esporte fique livre do doping", opinou Sampaio.

Secretário Nacional de Esportes de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, Rogério Sampaio. Foto: Francisco Medeiros/MESecretário Nacional de Esportes de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, Rogério Sampaio. Foto: Francisco Medeiros/ME

Visão do atleta
O ponto de vista do principal interessado no controle antidoping, o atleta, também foi exposto no evento. Tendo em vista que o doping pode prejudicar o esportista de várias formas - desde a saúde do próprio atleta até a perda de medalhas, conquistas e patrocínios -, é importante que todos aqueles que se lancem para o mundo do esporte de alto rendimento tenham consciência do quanto a dopagem é prejudicial.

Presidente da Comissão de Atletas do COB e medalhista olímpico no judô nos Jogos de Sydney 2000 e Pequim 2008, Tiago Camilo alertou sobre a importância da informação e orientação para que não haja o uso de substâncias ilegais.

Tiago competiu pela primeira vez em uma Olimpíada em 2000, com 18 anos, e nunca havia tomado nenhum suplemento alimentar - hoje um dos fatores que levam a resultados analíticos adversos por erro na manipulação. "Muita gente quer fazer uso de suplemento do seu próprio jeito. Na minha primeira olimpíada, não tinha suplemento. Era treino e comida. Em 2003, tive o primeiro contato com suplemento. Mas foi com acompanhamento, orientação. O atleta é responsável pelo que ingere. Você escolhe o que você come e o que você usa", resumiu o ex-judoca.

Acessibilidade

O evento também contou com a presença de atletas surdos da Confederação Brasileira de Desportos de Surdos (CBDS). Para que tivessem acesso a todo o conteúdo do Seminário, tradutores de Libras (Linguagem Brasileira de Sinais) foram disponibilizados para fazer a comunicação com esses atletas. Além disso, segundo a organização do evento, todo o material de vídeo gravado no 1º Seminário Brasileiro Antidopagem estará disponível no site da ABCD.

Thiago Rizerio
Ascom - Ministério do Esporte

 

 
Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla