Ministério do Esporte Centro Esportivo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

 
Conheça os principais programas e ações do Ministério do Esporte.
Videorreportagens, textos e fotos mostram como os projetos são colocados em prática e os resultados alcançados em todo o país.

Informações: (61) 3217-1875E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

                          

Centro Esportivo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Os Jogos Rio 2016 vão mostrar para os brasileiros disputas no mais alto nível em dezenas de modalidades pouco praticadas no país. Uma oportunidade para despertar o interesse dos amantes do esporte, que a partir do legado olímpico terão as estruturas necessárias para se desenvolverem. Exemplos disso são os dois campos de hóquei sobre a grama e o de rúgbi da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Os espaços foram inaugurados no início de 2016, junto a uma piscina olímpica no Parque Aquático Margarida Thereza Nunes, também na instituição de ensino. No total, foram investidos R$ 61,4 milhões pelo Ministério do Esporte nestas estruturas.

A interdisciplinaridade por trás do resultado final de um atleta, envolvendo diversas áreas do conhecimento, torna a universidade um espaço importante para o aperfeiçoamento e a popularização do desporto. Os campos de hóquei sobre a grama beneficiaram disciplinas que a primeira vista não estão associadas ao esporte, como a engenharia. A construção da estrutura demandou tecnologia e conhecimento de ponta para deixar tudo dentro do mais alto padrão exigido pela Federação Internacional.

Foto: Francisco Medeiros/ MEFoto: Francisco Medeiros/ ME

A grama sintética de grande densidade é feita com fios de polietileno, constantemente irrigada, para que uma lâmina de três milímetros de água permaneça no campo. A partida é realizada com essa camada de água, para que a bola possa deslizar melhor. Para isso, o campo deve ser totalmente plano, não podendo ultrapassar 0,4% de caimento. Por baixo da grama há uma camada de borracha e outras duas de asfalto, uma drenante e outra lisa. Apenas a última é impermeável. A água vai para um tanque com capacidade para 600 mil litros e é reutilizada na irrigação.

A área de jogo mede 91,4 metros de comprimento, por 55 metros de largura. São mais cinco metros de área de escape nas linhas de fundo e quatro nas laterais. Os dois campos possuem iluminação.

Com os espaços construídos para os Jogos Pan-Americanos de 2007 e reformados para os Jogos de 2016, a capital fluminense passa a contar com quatro campos para a prática da modalidade.

Foto: Francisco Medeiros/ MEFoto: Francisco Medeiros/ ME

Rúgbi
O campo de rúgbi foi construído de acordo com as normas da International Rugby Board, com grama natural, tipo Bermuda TifWay 419 (a mesma usada na Arena de Pernambuco e na Arena da Amazônia, palcos da Copa do Mundo de 2014). Tem base, sub-base, infraestrutura elétrica e hidráulica, alambrado, iluminação, drenagem (em formato de espinha de peixe) e sistema de irrigação.

A área do campo é de 96 metros de comprimento e 68 metros de largura, com recuos laterais e de fundo de cinco metros, e sete metros para a linha de gol, totalizando 120 metros por 78 metros de área gramada.

Foto: André Motta/ brasil2016.gov.brFoto: André Motta/ brasil2016.gov.br

Piscina Olímpica
A piscina de 50 por 25 metros foi reformada de acordo com as normas da Federação Internacional de Natação (Fina). O equipamento tem três metros de profundidade, dez raias e conta com sistema de aquecimento a gás, com redundância de energia solar, para deixar a temperatura em 27ºC, conforme exigido pela Fina. Outra novidade é o sistema de filtragem.

Nos seis vestiários, as instalações hidrossanitárias foram trocadas, assim como pias, vasos e chuveiros. Com as reformas, eles também se tornaram acessíveis. As novas luzes são de led, para economizar energia. O parque aquático ainda tem áreas de apoio, depósito e escritório, iluminação, calçamento, drenagem e acessibilidade completa.

Foto: Francisco Medeiros/ MEFoto: Francisco Medeiros/ ME

No Centro Esportivo da UFRJ também foram construídas área de recepção, salas administrativa, médica, de fisioterapia e para controle de dopagem e depósito para materiais esportivos. As reformas foram feitas nos corredores, áreas de apoio, locais de circulação com acessibilidade, área para depósitos e escritórios, vestiários e infraestrutura do entorno (calçamento, arruamento, iluminação e drenagem).

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla