Ministério do Esporte Governo federal trabalha de forma articulada para construir o legado esportivo do Rio 2016
Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé 4 Página Inicial Mapa do Site Ouvidoria Acessibilidade MAPA DO SITE ALTO CONTRASTE ACESSIBILIDADE
Ministério do
Esporte

Governo federal trabalha de forma articulada para construir o legado esportivo do Rio 2016

 Foto: Gaspar Nobrega/COB/InovafotoFoto: Gaspar Nobrega/COB/InovafotoQuando o então presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, mostrou o cartão com o nome do Rio de Janeiro como cidade-sede dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, durante assembleia da entidade em 2 de outubro de 2009, os olhos do mundo se voltaram para o Brasil. Faltando mil dias para a cerimônia de abertura dos Jogos, no dia 5 de agosto de 2016, o governo federal trabalha de forma articulada com os governos estaduais e municipais, as empresas estatais, os Comitês Olímpico e Paraolímpico, as confederações, federações, clubes e instituições do Sistema S para garantir estrutura aos atletas brasileiros do esporte de base ao de alto rendimento.
 
A meta para Rio 2016 é ficar entre as dez potências nos Jogos Olímpicos e entre as cinco no quadro geral de medalhas dos Jogos Paraolímpicos. As ações para atingir as metas visam não somente a preparação dos atletas brasileiros para os eventos, mas também garantir estrutura e conhecimento técnico para os próximos ciclos olímpicos – 2020 e 2024.
 
Com investimento recorde, o governo federal está criando o caminho para que os atletas brasileiros possam se desenvolver, além de estruturar as modalidades olímpicas e paraolímpicas. Os cerca de R$ 1 bilhão pelo Plano Medalha que serão investidos durante o ciclo olímpico vêm acompanhados de investimentos do Ministério do Esporte em infraestrutura, aquisição de equipamentos, qualificação de treinadores, árbitros e equipes multidisciplinares, administração profissional das entidades esportivas, financiamento de treinamento, intercâmbio e participação em competições internacionais.
 
O governo trabalha para garantir o legado material, com construção das instalações olímpicas, e, ainda, consolidar o acesso da população à prática esportiva, com equipamentos de qualidade. Um dos grandes legados olímpicos será a consolidação da Rede Nacional de Treinamento. Na base da pirâmide está a grande massa de crianças e jovens brasileiros cujos talentos são identificados em clubes, programas sociais, como Segundo Tempo/Mais Educação, Segundo Tempo/Forças no Esporte e Programa Esporte e Lazer da Cidade, e no programa Atleta na Escola, que tem a missão de promover a iniciação esportiva. Os programas poderão ser desenvolvidos nos Centros de Iniciação ao Esporte (CIE).

Os futuros atletas terão a oportunidade de praticar esportes e serem identificados em centros esportivos locais, estaduais e das suas modalidades. Os atletas de alto rendimento contarão com o suporte dos Centros Nacionais de Treinamentos das modalidades e a elite esportiva, com os Centros Olímpicos de Treinamento, instalações que serão construídas e ampliadas para os Jogos do Rio 2016 na Barra da Tijuca e no Complexo Esportivo de Deodoro.
 
Conheça o conjunto de ações do Ministério do Esporte, articulado com outras entidades, que estão deixando um legado para o esporte brasileiro.  
 
Investindo na base
 

- Estímulo à prática esportiva e descoberta de talentos
 
• O programa Atleta na Escola é voltado para a formação esportiva escolar. Identificados os talentos esportivos, eles são encaminhados centros esportivos locais, estaduais e regionais. A ação conta atualmente com a adesão de 23 mil escolas inscritas, dos 26 estados e do Distrito Federal.
 
• Uma ação integrada entre os ministérios do Esporte e da Educação fez a junção dos projetos pedagógicos dos programas Segundo Tempo e Mais Educação, somado ao Segundo Tempo e outras atividades de esporte na escola as ações somaram no ano passado 6 milhões de alunos. A projeção para 2013 é de 8,5 milhões de alunos, em 39 mil escolares dos 26 Estados e do Distrito Federal.  

Infraestrutura
 
- Cobertura e construção de quadras esportivas nas escolas. São mais de 6 mil novas quadras cobertas e 4 mil cobertura de quadra por meio no PAC 2.
 
- Com investimentos de R$ 830 milhões, a previsão é que sejam construídas cerca de 270 unidades do Centro de Iniciação ao Esporte (CIE), com módulos para a prática de 12 modalidades esportivas e seis paraolímpicas.
 
Apoio aos atletas de alto rendimento
 
- O governo federal investe desde 2005 diretamente nos atletas brasileiros, por meio do programa Bolsa-Atleta.
 
- O Plano Brasil Medalhas visa dar uma condição ideal aos atletas, para igualar as melhores condições dos atletas têm no mundo. Com a Bolsa Pódio será investido até R$ 15 mil mensais aos esportistas, além de garantir o apoio financeiro aos técnicos (até 10 R$ mil mensais) e equipes multidisciplinares (até R$ 5 mil mensais por profissional).
 
- O Plano do governo também garante treinamento dos atletas no Brasil e no exterior e participação em competições.
 Centro Pan-Americano de Judô em Lauro de Freitas, Bahia. Centro Pan-Americano de Judô em Lauro de Freitas, Bahia.
Estrutura de alta qualidade

 
Aquisição de equipamentos
- O Plano Brasil Medalhas garante aos atletas a compra de material e equipamento esportivo de ponta.
 
- Por meio de convênios entre Ministério do Esporte e confederações esportivas, as modalidades estão se estruturando e equipando núcleos de base e centros de treinamentos como basquete, luta olímpica, judô, taekwondo, esgrima, esportes aquáticos, tênis de mesa, atletismo, tiro com arco, golfe, ciclismo e esportes paraolímpicos.
 
- Estruturas de clubes formadores de atletas olímpicos também foram garantidas por meio dos convênios, como do Minas Tênis Clube, Pinheiros, Sogipa, Tijuca Tênis Clube, UniLaSalle - Centro Universitário, Grêmio Náutico União e o Sesi de Santa Catarina.
 
Centros de Treinamentos
 
- A infraestrutura esportiva é o legado dos Jogos Rio 2016 para todo o país. Para atender os esportistas do atletismo, serão construídos os centros de treinamento de Cascavel (PR), São Caetano (SP – reforma), Centro Olímpico de São Paulo (reforma). Além disso, o Ministério do Esporte está construindo 14 pistas de atletismo em universidades federais em todas as regiões do país.

- Na cidade de São Paulo está sendo erguido o maior Centro de Treinamento Paraolímpico. Já em Fortaleza, o Centro de Formação Olímpica do Nordeste em Fortaleza, está sendo construído com recursos federais e estaduais.
 
- O hipismo contará com centros de treinamento em Barretos (SP) e Deodoro (RJ). Ciclismo BMX (Londrina - PR), handebol (São Bernardo do Campo – SP), tiro esportivo (Deodoro - RJ), pentatlo moderno (Deodoro - RJ), tênis (Florianópolis), Canoagem (Foz do Iguaçu - PR) e Judô (Lauro de Freitas - BA) terão Centros Nacionais de Treinamento.
 
Apoio às modalidades

 
- De forma coordenada como parte do Plano Brasil Medalhas, as empresas estatais ampliaram seus patrocínios aos esportes olímpicos brasileiros. Os patrocínios são de forma direta ou por meio de projetos captados pela Lei de Incentivo ao Esporte.
 

Breno Barros
Ascom - Ministério do Esporte
Acompanhe as notícias do Ministério do Esporte no Twitter e no Facebook

Desenvolvido com o CMS de código aberto Joomla